top of page

Véronique Laurent


VÉRONIQUE LAURENT ESTÁ CONQUISTANDO UM SEGMENTO DOMINADO POR HOMENS


Matéria Blade Magazine By Jason Fry - NOVEMBER 17, 2022


Véronique Laurent se tornou uma das cuteleiras mais talentosas do mundo, mesmo depois de lutar contra o preconceito em sua terra natal, a Bélgica. Venho do Texas, onde é mais provável que um fabricante de facas use botas e chapéu de cowboy do que terno e gravata. Em muitas partes do mundo, é comumente assumido que um fabricante de facas seja homem.




Em março passado, conversei com a Master Smith Véronique Laurent da American Bladesmith Society no BLADE Show Texas em Fort Worth, Cowtown, EUA. Ela não usava botas ou chapéu de caubói e seu sotaque não é "sulista", mas com certeza é uma fabricante de facas.


Véronique vem de Bruxelas, Bélgica, onde o francês é a língua falada. Agora, eu não falo francês, então, por respeito, perguntei a ela como uma pessoa que não fala francês deveria pronunciar seu nome.

Aqui ela responderá à Veronica Lawrent americanizada, mas a resposta correta é mais como Vehr-o-NIK-eh Law-ron, com os Rs enrolados no meio de cada um. Na Bélgica, as pessoas usam o sobrenome primeiro, então ela costuma ser chamada apenas de “Laurent”. Agora que você pode ler o nome dela em sua cabeça com um belo sotaque francês, vamos para a parte interessante da história.


Véronique começou trabalhando como balconista em uma estação de TV belga. Ela trabalhava com metal como hobby. Enquanto estava de férias na França em 2004, ela participou de um evento de fabricação de facas e ferraria semelhante a uma martelada nos EUA. Mais tarde, ela fez um curso de faca de um dia com a Sociedade Belga de Facas e nunca mais olhou para trás.


Ela se envolveu com um grupo e aprendeu mais sobre a fabricação de facas com os membros daquela comunidade. O grupo acabou se separando, mas não antes de Véronique estar a caminho.

Em 2010, novamente na França, ela participou de uma martelada que incluiu os membros do Hall da Fama da ABS Master Smiths/BLADE Magazine Cutlery®, Joe Keeslar e Jay Hendrickson. Na Bélgica e na França, não é comum uma mulher ser aceita como fabricante de facas. Foi assim que Véronique ficou satisfeita e surpresa com a hospitalidade que Joe e Jay lhe mostraram, principalmente pelo respeito que lhe davam como artesã.


Pois, embora uma fabricante de facas seja uma raridade americana, ser mulher não é nada estranho na jornada americana de fabricação de facas. Na Europa, no entanto, as coisas são bem diferentes. Véronique lutou para vender facas na Europa, mesmo tendo experiência e habilidade.


“Quando um homem vinha à minha mesa e pegava uma faca, ele me perguntava quem era o fabricante”, lembrou ela. “Quando eu dizia que fiz a faca, ele perguntava para a pessoa ao meu lado quem fez a faca. Uma vez que ele soubesse que eu era o fabricante de facas, ele largaria a faca e iria embora. Na Europa, eles não querem comprar uma faca de uma mulher.” Ela estabeleceu como meta ser uma criadora em tempo integral, e seus contatos americanos se tornaram ainda mais importantes.


Véronique (à esquerda) faz questão de comentar enquanto seus colegas membros do painel - da direita, o ABS Journeyman Smith Lora Schwarzer e os fabricantes de facas Grace Horne e Abie Lyons - ouvem durante a aula do painel Women's Bladesmith / Knifemaker da BLADE University no BLADE Show '22. Depois de seu contato com Keeslar, ela viajou para o 2013 BLADE Show e ganhou sua certificação de ABS jornaleiro smith. Ela então começou a se corresponder com ABS Master Smith John White, que a encorajou a aprender a construir facas takedown.



“Em 2015, construí minha primeira faca Takedown e, na mesma semana, recebi a notificação por e-mail da ABS informando que John White havia falecido”, lembrou ela. “Eu construí todas as minhas facas de teste Master Smith takedown em sua memória.”


Véronique surpreendeu a multidão no 2015 BLADE Show e ganhou seu selo MS. Após o show, ela e o ABS Master Smith Jean-Louis Regel da França passaram três semanas no Brasil aprendendo técnicas avançadas de damasco com o ABS Master Smith Rodrigo Sfreddo.



“Depois que me tornei mestre ferreira, comecei a ‘existir’ na Europa”, observou ela. “Eu me tornei um fabricante de facas em tempo integral logo depois disso.” Mesmo com o renome e a credibilidade americanos, os ventos contrários do preconceito ainda eram um desafio em seu país natal. “As pessoas eram rudes e isso me fez pensar: 'Vou mostrar a você!' A má atitude delas se tornou minha motivação”, disse ela.


Ela começou a trabalhar cada vez mais com Jean-Louis (Jean-Louis também obteve seu MS em 2015). Por causa do preconceito, muitas vezes se presumia que ele fazia o trabalho dela para ela, que fazia damasco para ela ou que ela trabalhava apenas em sua loja. Este não era o caso.





Embora para os americanos faça sentido que os dois mestres ferreiros de língua francesa estejam conectados, a verdadeira história é que Véronique e Jean-Louis têm suas próprias oficinas em suas cidades natais. Suas cutelarias estão separadas por aproximadamente 375 milhas, com Veronique na Bélgica e Jean-Louis na França. A viagem entre eles leva cerca de oito horas.


Mesmo no Texas, onde medimos as viagens em horas, não em milhas, uma viagem de oito horas é uma “longa distância” ou um “pedaço distante”. Embora a distância fosse significativa, eles a percorriam cerca de uma vez por mês, dependendo do fluxo de trabalho. Véronique diz que tem melhores ferramentas de retificação e acabamento em sua oficina, enquanto Jean-Louis tem uma oficina maior com melhores equipamentos para fazer damasco.


Véronique e Jean-Louis participaram da Exposição Internacional de Cutelaria Personalizada (agora BLADE Show Texas) em Fort Worth em 2018 e cada um ganhou vários prêmios.


“Em todas as minhas viagens para a América, apenas uma vez alguém baixou minha faca de forma grosseira, como na Europa”, observou ela. Eles também se juntaram ao The Knifemakers 'Guild naquela viagem e passaram uma semana aprendendo serralharia com o ABS Master Smith Rick Dunkerley.

A Covid-19 atrapalhou os planos de viagem e, portanto, Véronique e Jean-Louis não puderam retornar à América até o BLADE Show Texas deste ano. Como americano, não passaria pela minha cabeça visitar a França regularmente para tentar vender facas, então fiquei curioso para saber por que Veronique continua voltando. Ela explicou que “a Europa não gosta de enviar facas grandes. É muito complicado e caro. Às vezes você pode enviar um pequeno abridor de cartas ou algo assim, mas é muito difícil.”


Em vez de lutar contra as restrições, é mais fácil viajar para cá e vender seu trabalho onde há muita demanda. Outra coisa que ela faz é fazer um modelo “bebê júnior” de cada peça principal. Se ela faz uma adaga, ela faz outra pequena. Se ela faz um grande bowie, ela faz um hunter semelhante.

Essas peças menores tendem a vender melhor na Europa do que as grandes lâminas.


Véronique tinha uma boa variedade de facas no BLADE Show Texas que mostrava suas habilidades e versatilidade: uma grande bowie, algumas hunters elegantes e uma adaga dobrável.


“Foi uma honra ser convidada para fazer uma bowie”, observou ela. “É uma faca de homem e levou muitos anos para um homem confiar que eu poderia construir um grande bowie.”

Embora ela não construa facas “sob encomenda”, ela mantém uma lista de clientes que procuram um determinado tipo de faca. “Não aceito encomendas. Eu quero ser livre!" ela explicou. Ela foi convidada a construir uma bowie e ao fazer sua pesquisa e se deparou com o Musso Bowie. Ela construiu o Big Boy Bowie e imediatamente ganhou o prêmio de Melhor Fighter em Fort Worth.

Baseado no Musso Bowie, o Big Boy Bowie de Véronique ganhou o prêmio de Melhor Figther no BLADE Show Texas. Tem uma lâmina de damasco de penas de 13 polegadas de aços de ferramenta O2 e 45NCD16 com pomo de latão rebitada. Partes da guarda são polidas com espelho, outras são pontilhadas e outras são gravadas com flores em relevo. O cabo é de marfim de morsa antigo. Comprimento total: 18,5 polegadas. (imagem SharpByCoop)


Big Boy é destacado por uma lâmina de damasco de penas de aços de ferramenta O2 e 45NCD16 com um pomo de latão rebitada. A guarda é O2 também. Partes da guarda são polidas com espelho, outras são pontilhadas e outras são gravadas com flores em relevo.

“O aço O2 é bom porque você pode fazer vários acabamentos e funciona bem para a gravação”, explicou Véronique.


O cabo é de marfim de morsa antigo. Também em sua mesa havia uma fina adaga dobrável de damasco que ganhou o prêmio de melhor faca dobrável do evento. Todos os acessórios, engravers e caixa de exibição são de Veronique.


Então, para onde ir quando você já é conhecido mundialmente?

“Quero me concentrar no engraver”, disse ela. “Também estou aprendendo a fazer facas dobráveis ​​automáticas com Rick Dunkerley.”

Véronique é uma mulher forte e joga bem no que costuma ser um jogo masculino. Ela não aceita encomendas, mas constrói algumas peças importantes em várias categorias a cada ano. Ela prefere a comunicação por e-mail dos americanos porque é difícil ouvir e traduzir pelo telefone. Ela estará nos principais shows, mas é melhor chegar cedo porque o trabalho dela é muito procurado.

 



Para obter mais informações sobre

Véronique Laurent e suas facas, envie um e-mail para



102 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page