top of page

Ricardo Vilar: Forjado Na Fama

Atualizado: 6 de dez. de 2023

By Pat Covert - BLADE MAGAZINE

A inspiração e orientação de Jerry Fisk ajudaram o campeão do Forged in Fire, Ricardo Vilar, a continuar sua ascensão ao estrelato do aço. É difícil o suficiente para chegar ao status de melhor cuteleiro nos EUA, mas ainda mais difícil se você for de outro país. O cuteleiro brasileiro Ricardo Vilar é um daqueles que trabalhou duro, persistiu e foi recompensado com altos elogios e fama por seus esforços.


Jerry Fisk (esquerda) e Ricardo Vilar


Começando de forma humilde e um amor por facas desde jovem, Ricardo agora reside nos EUA está vivendo o sonho.


“Crescendo no interior do Brasil, por algum motivo sempre amei facas”, lembra. “Naquela idade como escoteiros, podíamos usar facas – e mais, a faca fazia parte do uniforme – então eu podia carregar uma no meu cinto. Mas minha família não era rica o suficiente para eu poder comprar as facas que eu queria, então fazer as minhas foi uma progressão natural.

“Comecei com facas de desbaste porque há 30 anos no Brasil era muito difícil encontrar um ferreiro, e impossível encontrar um cuteleiro. Eram pessoas consideradas raras e com conhecimentos ‘mágicos’. Comecei a seguir outros fabricantes que estavam à frente do meu conhecimento. Mas uma coisa muito interessante eu gostaria de dizer, nessa idade pelo menos no Brasil, o compartilhamento de informações não era muito popular. Além disso é importante dizer que não tínhamos Internet, então meu progresso foi muito lento.”

Inspiração de uma lenda


Ricardo sabia que, para progredir em ritmo mais acelerado, teria que sair do Brasil para buscar ajuda. Ele fez isso entrando em contato com um dos ferreiros mais famosos e elogiados da América: Jerry Fisk. Ele convidou Jerry para o Brasil, oferecendo-se para pagar suas despesas.



“Perguntei a Jerry se ele ficaria em minha casa porque não tínhamos dinheiro para pagar um bom quarto de hotel”, afirma Ricardo. “Ele aceitou minha oferta e com sua ajuda conseguimos montar uma oficina melhor, que foi o ponto de virada para minha fabricação de facas no Brasil. Desde então nos tornamos grandes amigos.” Jerry se lembra de sua primeira visita ao país natal de Ricardo e do sacrifício do ferreiro sul-americano para levá-lo até lá.

“Conheci Ricardo no outono de 2001”, disse ele. “Ele e alguns outros cuteleiros queriam que eu viesse ao Brasil para ajudá-los a começar e trazer um olhar mais profissional em relação ao negócio de cutelaria. Ricardo vendeu seu carro para juntar os fundos para me levar para lá.” O americano e o brasileiro imediatamente se uniram.

“Percebi imediatamente como ele era bom como empresário”, disse Jerry. “E o fato dele ter grande senso de humor fez com que tudo fosse um sucesso”. Embora nenhum de nós falasse bem a língua do outro, ambos conseguimos criar piadas e brincadeiras suficientes para tornar o aprendizado e o compartilhamento de cultura divertida.

“Na primeira viagem – outras se seguiram – ficávamos acordados até 1h às 3h da manhã conversando sobre como o mundo funcionava em relação às facas. Na primeira viagem ajudei Ricardo e outros cuteleiros brasileiros a formar um grupo de cuteleiros, com as regras sendo uma mistura dos estatutos da The Knifemakers’ Guild e da American Bladesmith Society misturados com o que funcionaria para eles. Trabalhávamos no forjamento de aço carbono, mas, o mais importante na época, descemos ao ferro-velho, reunimos todo tipo de material, fizemos forjas a gás e fizemos damasco. Estávamos usando aspiradores de pó, secadores de cabelo, qualquer coisa que funcionasse.”

O impacto de Jerry em Ricardo foi imensurável. “Se você prestar atenção nos meus designs, fica claro que a influência de Jerry é clara”, disse ele. “Gosto do estilo e da funcionalidade de suas facas e é nisso que gosto de prestar atenção quando desenho uma faca.”




Forjamento nos EUA


Nos anos seguintes, o trabalho árduo de Ricardo começou a valer a pena. Em 2005, ele se tornou o primeiro ferreiro de ABS da América do Sul. No mesmo ano começou a trabalhar com o Centro de Instrução de Guerra na Selva do Exército Brasileiro projetando e produzindo facas para os militares. “Ainda tenho minha pequena empresa no Brasil que fabrica facas para policiais, bombeiros, socorristas e afins”, observa.


Em 2017, ele se deparou com a maior decisão de sua vida. “Eu estava visitando o Arkansas desde 2003, mais especificamente a área de Nashville – sim, há um Nashville, Arkansas”, ele sorriu. Tal movimento permitiria que ele estivesse mais próximo da casa de Fisk, bem como do cenário da cutelaria nos Estados Unidos. Os Vilars também foram profundamente atraídos pela esplêndida beleza do Estado. “Quando minha família e eu decidimos imigrar para os EUA, sentimos que a área do Arkansas seria incrível para nos conectarmos com a natureza”, explica Ricardo, “então Nashville, Arkansas, era nossa principal opção”.

Uma vez situado nos Estados Unidos, Ricardo e sua fabricação de facas floresceram, impulsionando-o a novas alturas. Ele não apenas começou a ganhar prêmios por seu trabalho em todo o mundo, como também teve a oportunidade de colaborar com Jerry. Os dois amigos foram recrutados para produzir facas de edição limitada para a Arkansas Game and Fish Foundation.

Como afirma o


comunicado de imprensa da fundação, “A Arkansas Game and Fish Foundation estava orgulhosa de trabalhar com Ricardo Vilar no estabelecimento da primeira coleção de facas de edição limitada de seu tipo. A Fundação escolheu o Sr. Vilar pelo seu excelente artesanato e amor ao ar livre. Nós o encarregamos de fazer e testar uma lâmina que não apenas atendesse às demandas de uso em campo, mas também pudesse ser exibida na sala de tabuleiro/troféus. Com vários membros do conselho já possuindo uma faca Vilar personalizada, eles sabiam que ele faria algo que todos teriam orgulho de possuir.”

Ricardo também gostou da publicidade de aparecer e ganhar um episódio da popular série de televisão Forged in Fire em março do ano passado. “Foi uma experiência incrível e preciso lhe dizer que não é tão fácil quanto você imagina”, relata. “Eu fiz uma arma africana muito interessante chamada ikakalaka. Fiz dois em vez de um e tive a difícil tarefa de decidir com qual ia competir.” Ricardo venceu a competição com facilidade e provavelmente o teria feito com qualquer espada.



Fisk compartilha o segredo de Ricardo para fazer sucesso no mundo das facas:


“Seu sucesso em facas é bem simples, na verdade. Trabalhe fazendo o melhor que puder até conseguir o que o cliente merece. Repita na próxima semana, mas melhor. Seja honesto o suficiente para que o cliente saiba que pode jogar pôquer pelo telefone com você e obter uma mão justa. Então, depois de tudo isso, a venda fique 10% abaixo do preço de mercado”, aconselha Jerry. “O Ricardo me ajudou a preparar as competições de corte em que trabalho simplesmente porque suas facas cortam muito bem. Sim, Renata, sua esposa, muitas vezes grava e faz incrustações de ouro, mas as facas também cortam bem.”

A história de Ricardo é de trabalho duro, determinação e conquistas.


Matéria Original Publicada na versão On-line da Revista Blade Magazine:




375 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Faca Bowie

Comentarios


bottom of page