top of page

Tratamento Térmico

O professor Berardo preparou especialmente para os nobres cuteleiros uma tabela de composição química e tratamento térmico dos aços mais utilizados na cutelaria custom.

IMPORTANTE! Nem todos os aços e ligas de aço damasco abaixo referenciados, foram utilizados por mim durante a minha carreira. Aqueles com os quais eu nunca trabalhei, tiveram seus dados de tratamento térmico fornecidos gentilmente por cuteleiros amigos, que querem colaborar com o crescimento e desenvolvimento da cutelaria brasileira. Conforme pode-se notar, os dados das tabelas de composição química dos aços, variam dentro de um parâmetro mínimo/máximo de cada componente químico, de acordo com o fabricante. Também é importante se considerar a aferição da temperatura dos fornos a serem usados nos tratamentos térmicos, bem como a habilidade técnica dos cuteleiros que façam seus tratamentos térmicos nas forjas, de atingirem com precisão as faixas corretas de temperatura. Todos esses fatores podem gerar sutis diferenças de resultado nas diversas etapas de tratamento térmico e obviamente de desempenho final da faca. Desta forma, os valores abaixo expostos devem servir como referência, não devendo-se dispensar testes de desempenho de corte e de quebra de ponta das lâminas para aferição do tamanho dos grãos do aço.


Definições:

Recozimento: É o tratamento térmico realizado com o fim de alcançar especialmente os seguintes objetivos: remover tensões resultantes do forjamento, diminuir a dureza para melhorar a usinabilidade do aço, alterar as propriedades mecânicas como resistência.


Normalização: Tratamento térmico onde se aquece o aço acima da temperatura crítica (formação de austenita), com resfriamento em ar tranquilo, à temperatura ambiente, resultando em uma estrutura molecular com granulação mais fina. A normalização visa preparar as lâminas para a têmpera.


Têmpera: Consiste no resfriamento brusco do aço, que deve estar a uma temperatura superior à sua temperatura crítica, em um meios de resfriamento como óleo, água, salmoura ou mesmo ar. A velocidade de resfriamento, dependerá do tipo de aço, da forma e das dimensões das peças. O resultante desejado deste processo é a martensita. O objetivo dessa operação, sob o ponto de vista de propriedades mecânicas, é o aumento da dureza. Resultam também da têmpera redução da tenacidade e o aparecimento de tensões internas. Tais inconvenientes são atenuados ou eliminados pelo revenimento.


Revenimento: O revenimento ou revenido é o tratamento térmico que se segue após a têmpera, visando a eliminação dos inconvenientes resultantes desta, removendo tensões internas, corrigindo o excesso de dureza e eliminando a fragilidade do aço, aumentando sua tenacidade e resistência ao choque.



SAE 5160

Carbono: 0,56 - 0,64 %

Manganês: 1,35 - 1,65 %

Cromo: 0,70 - 0,90 %

Dureza Máxima Rockwell C: 60

Meio de Têmpera: Óleo

Recozimento: Dispensável, pois a normalização o deixa bem macio para usinagem

Normalização: 870 º Célsius

Têmpera: 850 º Célsius

Revenimento: 1 hora entre 180 e 210º Célsius


SAE 6160

Carbono: 0,55 - 0,62 %

Manganês: 0,80 - 1,10 %

Cromo: 0,90 - 1,20 %

Vanádio: 0,07 a 0,12 %

Dureza Máxima Rockwell C: 58

Meio de Têmpera: Óleo

Recozimento: Dispensável, pois a normalização o deixa bem macio para usinagem

Normalização: 870 º Célsius

Têmpera: 840 º Célsius

Revenimento: 1 hora entre 180 e 210º Célsius



SAE 1070

Carbono: 0,65 - 0,75 %

Manganês: 0,60 - 0,90 %

Dureza Máxima Rockwell C: 60

Meio de Têmpera: Água ou óleo (preferencialmente óleo)

Recozimento: 790º Célsius

Normalização: 820º Célsius

Têmpera: 800º Célsius

Revenimento: 1 hora entre 180 e 210º Célsius



SAE 1075

Carbono: 0,70 - 0,80 %

Manganês: 0,40 - 0,70 %

Dureza Máxima Rockwell C: 60

Meio de Têmpera: Água ou óleo (preferencialmente óleo)

Recozimento: 790º Célsius

Normalização: 820º Célsius

Têmpera: 800º Célsius

Revenimento: 1 hora entre 180 e 210º Célsius



SAE 1080

Carbono: 0,80 %

Manganês: 0,75 %

Dureza Máxima Rockwell C: 60

Meio de Têmpera: Óleo

Recozimento: 790º Célsius

Normalização: 870º Célsius

Têmpera: 815º Célsius

Revenimento: 1 hora a 205º e 230º Célsius



SAE 1095

Carbono: 0,90 - 1,03 %

Manganês: 0,30 - 0,50%

Dureza Máxima Rockwell C: 60

Meio de Têmpera: Óleo (preferencialmente óleo de baixa densidade)

Recozimento: 790º Célsius

Normalização: 820º Célsius

Têmpera: 800º Célsius

Revenimento: 2 horas entre 205º e 220º Célsius, resfiar, + 2 horas entre 205º e 220º Célsius



AISI O1 ou VND

Carbono: 0,85 - 1,0 %

Manganês: 1,00 - 1,40 %

Cromo: 0,40 - 0,60 %

Dureza Máxima Rockwell C: 64

Meio de Têmpera: Óleo

Recozimento: Entre 760º e 790º Célsius (quanto maior a peça maior a temperatura)

Normalização: 870º Célsius

Têmpera: 800º Célsius

Revenimento: 1 hora entre 230º e 260º Célsius



SAE 52100

Carbono: 0,98 - 1,10 %

Manganês: 0,25 - 0,45 %

Cromo: 1,30 - 1,60 %

Dureza Máxima Rockwell C: 64

Meio de Têmpera: Óleo

Recozimento: Dispensável pois a normalização o deixa bem macio para usinagem

Normalização: 885º Célsius

Têmpera: 800º Célsius

Revenimento: 1 hora entre 250º e 280º Célsius, resfriar, + 1 hora a 250º e 280º Célsius



AISI W2

Carbono: 1,00 %

Vanádio: 0,25 %

Dureza Máxima Rockwell C: 66

Meio de Têmpera: Água

Recozimento: 760º Célsius

Normalização: 870º Célsius

Têmpera: 790º Célsius

Revenimento: 2 horas a 230º Célsius, resfriar, + 2 horas a 230º Célsius



AISI D2

Carbono: 1,50 %

Manganês: 0,40 %

Cromo: 12,00 %

Molibdênio: 0,90 %

Vanádio: 0,90 %

Dureza Máxima Rockwell C: 64

Meio de Têmpera: Óleo

Recozimento: 870º Célsius

Têmpera: 980º Célsius

Revenimento: 1 hora a 250º, resfriar + 1 hora a 250º Célsius (para 60 HRC), ou 1 hora a 300º, resfriar + 300º Célsius (para 59 HRC)



AISI D6

Carbono: 2,10 %

Manganês: 0,30 %

Cromo: 11,50 %

Vanádio: 0,20 %

Dureza Máxima Rockwell C: 65

Meio de Têmpera: Óleo

Recozimento: 840º Célsius

Têmpera: 960º Célsius

Revenimento: 1 hora entre 230º e 300º Célsius, resfriar, + 1 hora entre 230º e 300º Célsius



DIN 1.4116

Carbono: 0,50 %

Cromo: 14,50 %

Molibdênio: 0,50 %

Vanádio: 0,15 %

Dureza Pós Têmpera sem Sub-Zero Rockwell C: 55 - 57

Meio de Têmpera: Óleo ou ar forçado uniforme

Recozimento: Entre 750º e 800º Célsius (resfriamento em forno)

Têmpera: Entre 1020º e 1070º Célsius (encharque mínimo de 10 minutos)

Revenimento: 1 hora entre 200º e 300º Célsius



Sandivik 13C26

Carbono: 0,68 %

Cromo: 13,00 %

Dureza Pós Têmpera sem Sub-Zero Rockwell C: 57 - 59

Meio de Têmpera: Óleo

Recozimento: Entre 750º e 800º Célsius (resfiamento em forno)

Têmpera: Entre 1050º e 1080º Célsius (encharque mínimo de 10 minutos, resfriamento no ar forçado ou óleo)

Revenimento: 1 hora entre 150º e 250º Célsius



Bohler N690

Carbono: 1,08 %

Cromo: 17,30 %

Manganês: 0,40 %

Molibdênio: 1,10 %

Vanádio: 0,10 %

Dureza Máxima Rockwell C: 62

Meio de Têmpera: Óleo

Recozimento: Entre 800º e 850º Célsius (resfiamento em forno)

Têmpera: Entre 1030º e 1080º Célsius (encharque mínimo de 10 minutos)

Revenimento: 1 hora entre 100º e 200º Célsius



Damasco liga de 5160 com 15N20:

Dureza Rockwell C estimada: 58 - 60

Meio de Têmpera: Óleo

Recozimento: 780º Célsius

Normalização: 850º Célsius

Têmpera: 820º Célsius

Revenimento: 1 hora entre 180 e 210º Célsius

Observação: A tabela de composição química das ligas de damasco irão variar de acordo com a composição de cada aço utilizado e suas respectivas percentagens utilizadas.



Damasco liga de 1070 com 15N20:

Dureza Rockwell C estimada: 58 - 60

Meio de Têmpera: Óleo

Recozimento: Dispensável pois a normalização o deixa bem macio para usinagem.

Normalização: 845º Célsius

Têmpera: 810º Célsius

Revenimento: 1 hora entre 170 e 185º Célsius.

Observação: A tabela de composição química das ligas de damasco irão variar de acordo com a composição de cada aço utilizado e suas respectivas percentagens utilizadas.



Damasco liga de 1084 com 15N20:

Dureza Rockwell C estimada: 58 - 60

Meio de Têmpera: Óleo de baixa ou média densidade

Recozimento: 790º Célsius

Normalização: 860º Célsius

Têmpera: 840º Célsius

Revenimento: 1 hora entre 180 e 200º Célsius, resfriar.

Observação: A tabela de composição química das ligas de damasco irão variar de acordo com a composição de cada aço utilizado e suas respectivas percentagens utilizadas.



Damasco liga de 1095 com 15N20:

Dureza Rockwell C estimada: 58 - 60

Meio de Têmpera: Óleo de baixa densidade

Recozimento: 770º Célsius

Normalização: 840º Célsius

Têmpera: 810º Célsius

Revenimento: 1 hora entre 200 e 210º Célsius, resfriar, + 1 hora entre 200 e 210º Célsius.

Observação: A tabela de composição química das ligas de damasco irão variar de acordo com a composição de cada aço utilizado e suas respectivas percentagens utilizadas.



Damasco liga de O1 com 15N20:

Dureza Rockwell C estimada: 58 - 60

Meio de Têmpera: Óleo

Recozimento: 790º Célsius

Normalização: 870º Célsius

Têmpera: 815º Célsius

Revenimento: 1 hora a 220º Célsius

Observação: A tabela de composição química das ligas de damasco irão variar de acordo com a composição de cada aço utilizado e suas respectivas percentagens utilizadas.




 

Berardo é Cuteleiro Profissional

Premiado em dezenas de feiras e eventos de cutelaria do país

MasterSmith pela ABS (American Bladesmith Society)

Ministra Cursos de Cutelaria (On-Line e Presencial)

Para mais informações entre em contato: e.berardoknives@gmail.com - (17) 99727-0246

380 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page